Artigos Recentes
Home » Destaque » O Que Falta?

O Que Falta?

Talvez muitos se perguntem sobre o que falta nos processos educativos. Tenho alguns palpites e, quem sabe, eles atendam aos interesses dos “estudiosos”. Em primeiro lugar precisamos de gestores honestos, gente ilibada, que não tenha em seu currículo qualquer tipo de mancha. Daí, depreende-se, obviamente, capacidade de reflexão e leitura, muita leitura, algo que suponho faltar em que não tem princípios. Práticas autoritárias (não confundir com exercício da autoridade para preservação de interesses coletivos), também não se sustentam na educação. É preciso muita coragem para abrir o leque de decisões incluindo a sociedade civil organizada.

Convenhamos, o autoritarismo é uma via de mão dupla. Mas não é esse o caso, aqui. Estamos falando dos que nada produzem em educação e se arvoram à condição de “bons gestores”. Produção, neste caso, não necessariamente tem que ver com estudos acadêmicos. No entanto, os que se valem do discurso antiacademicista, paradoxalmente, carecem de profundidade discursiva e, para estes, a prática sempre é mais importante que o discurso. Nada contra, desde que o discurso sobre a prática seja ele também fundamentado.

Tenho ainda outro palpite. O que falta pode ser o cuidado permanente. Significa não repassar a fórceps responsabilidades para outros. A saga privatizante de outrora sugeria menos atuação do Estado e mais transferências para outros entes federativos.

Talvez esta dinâmica explique muitas das atuais faltas apontadas por muitos, como acesso à escola em determinados segmentos, que por décadas não foram tratados na relação entre crescimento populacional e direitos. Agora resta a quem enfrenta este problema assumir a culpa pela irresponsabilidade alheia. Mais, ainda, pensar articulações entre direitos educacionais e demais direitos sociais, com sensibilidade humana e política além de suas forças.

Nas últimas décadas estudos sobre políticas públicas educacionais se construíram aos montes. Quem não os leu pode querer sugerir soluções mirabolantes e imediatistas, mas que não levam em conta as mudanças históricas e, sobretudo, de referenciais econômicos que acometeram a sociedade brasileira no contexto neoliberal.

Talvez faltem ainda muita tinta na parede, playgrounds equipados, telhados consertados. Quem viveu o chão da fábrica da escola e tem o pé na pesquisa pode ver mais longe, muito mais longe que os que preferem sandálias com meias. São os supostos gurus do gerenciamento educacional, sombras do passado arcaico que nos rodeiam.

Sobre José Renato Polli

José Renato Polli. Doutor em Filosofia da Educação (FEUSP) e professor universitário

Talvez você goste

20 anos sem Paulo Freire

No último dia 02 de maio completaram-se vinte anos da morte de Paulo Freire. Há …